O site Official Charts postou na noite desta quinta feira (4) seu review do “Camila”, onde falam um pouco sobre as faixas junto com alguns trechos. Confira a matéria traduzida abaixo:

Começos falsos em álbums raramente invocam confiança no produto final, mas poucos artistas nesses últimos anos tiveram a trajetória como a de Camila Cabello após Fifth Harmony.

“Primeiro eu pensei que seria um álbum de músicas tristes,” ela disse em recente entrevista a Rolling Stone, referindo-se ao título original (e melodramático) The Hurting, The Healing, The Lovind, a faixa aperitivo “I Have Questions” junto com o single de Sia, “Crying In The Club”. “E quanto mais eu avançava o ano, era melhor,” ela continua. “Eu me sentia mais feliz.” Acreditamos que foi quando seu single recente, o pop latino, Havava, subiu nos charts mundiais, incluindo cinco semanas em primeiro lugar no Official Single Chart.

O sucesso da música levou ela a deixar de lado seus outros lançamentos solo (incluindo o feat com Quavo, OMG) e voltar ao estúdio e refocar no som do álbum e injetar mais Havana nele. Então, o que sobrou? “Eu sinto que tem um bom balanço entre o emocional e o feliz.” ela diz.

O sabor pop latino no álbum – agora chamado Camila – é infundido mais intensamente entre as faixas três e cinco, onde Havana entra em um sanduíche entre duas faixas de mexer os quadris. O raegatton Inside Out é a faixa mais despreocupada e brincalhona de todas, mas She Loves Control tem um refrão contagioso e maior potencial para hit (“Ela ama controle, ela quer da maneira dela/E isso leva apenas uma prova/Quer desistir?”)

Em outro lugar, a quente In The Dark e a quase acústica All These Years brilham mais que as baladas no piano Consequences e Something’s Gotta Give, o tom confessional fica mais na linha da visão original do álbum.

A jóia, contudo, é a faixa de encerramento (faixa 10, não perca), Into It, uma habilidosa música onde os flertes de Camila dizem: “Eu vejo uma cama king size em um canto e deveríamos ir a fundo/Todas as coisas que eu quero fazer com você são infinitas”.

Camila Cabello lança Camila no dia 12 de janeiro.

Fonte: Official Charts
Tradução/Adaptação: Equipe CCBR

Na madrugada de quarta para quinta-feira, Camila compareceu ao Grammy Latino para homenagear Alejandro Sanz que ganhou o prêmio de “Personalidade do Ano”.

O prêmio de Personalidade do Ano é concedido a músicos como reconhecimento pelas realizações artísticas na indústria da música latina e pelo compromisso com a filantropia. Alejandro Sanz já ganhou 18 GRAMMY Latinos e 3 GRAMMYs.

E você pensa que parou por aí? Que nada! Camila subiu ao palco para cantar “Quiseira Ser” com Juanes. Confira:

Cabello também conheceu vários artistas e dentre eles uma que todos estavam esperando: a cantora Anitta! SIM! Aconteceu! Confira:

 

Latin Grammy Awards (também chamados de Grammy Latino) é uma premiação de música latina, criada em 2000 pela Academia Latina da Gravação para as melhores produções da indústria fonográfica latino-americana de determinado ano. Trata-se de uma versão latino-americana dos prêmios Grammy.

Depois do Latin American Music Awards e do Los40 Music Awards, Camila Cabello impressiona mais uma vez com uma performance de Havana.
Camila subiu ao palco do Europe Music Awards (EMAs)  para cantar novamente o seu single Havana, que vem colocando-a no topo dos maiores charts mundiais, em 5° lugar na lista dos artistas mais ouvidos do Spotify, sendo ela a única mulher no topo da lista e foi o 7° vídeo mais rápido a  chegar em 100 Milhões de views no YouTube. Dessa vez  Cabello inovou com uma performance cheia de efeitos visuais. Confira o vídeo:

Além da performance maravilhosa, Camila levou o prêmio de Best Pop e agradeceu aos fãs por terem votado:

Depois de três semanas, Camila Cabello finalmente alcançou o topo da Official Charts na atualização de hoje (3). O single “Havana” em parceria com Young Thug, terminou com 4 mil cópias a frente de “rockstar” de Post Malone e 21 Savage, que liderava há quatro semanas.

Apenas três mulheres conseguiram o #1 na Official Charts UK e Cabello está entre elas.

Desde o seu lançamento oficial, o single vem fazendo um maravilhoso sucesso! O videoclipe já está perto dos 100 Milhões de views!

Por fim, Cabello agradeceu aos fãs e ao Official Charts pelo #1. Confira:

Depois de muito trabalho, dedicação, pedido dos fãs e sucesso, Camila Cabello lança oficialmente o videoclipe de “Havana”. A canção de início não era single, assim como OMG, mas o sucesso foi tão grande que surpreendeu a todos e claro que Cabello não perderia a oportunidade né?! Logo depois, Camila decide tornar “Havana” o seu segundo single do ano como cantora solo!

“Havana” foi dirigido por Dave Meyers, um dos maiores diretores de videoclipes dos Estados Unidos. É a segunda música mais vendida no iTunes do mundo e também a segunda mais ouvida do mundo no Spotify.

“Havana” atualmente é top 20 na Billboard Hot 100 e ainda continua fazendo um ótimo sucesso! Maravilhoso não é mesmo?!

Para tornar esse sucesso ainda maior, ouça e assista “Havana” no Spotify e YouTube.

Spotify:
Youtube:

Em entrevista recente para a revista americana Entertainment Weekly, Camila Cabello fala sobre sua história, sua carreira – tanto no Fifth Harmony quanto como artista solo -, sobre seu mais novo single Havana, e muitas outras coisas. Confira abaixo a tradução completa da matéria publicada pela revista:

CAMILA CABELLO

Nada de lágrimas aqui: Depois de sair do Fifth Harmony, a cantora de “Crying In The Club” está terminando seu álbum de estreia para outubro – e ficando quieta sobre a performance shady do seu antigo grupo no VMAs.

DESTINO DISNEY WORLD
Camila Cabello, 20, passou os primeiros anos de sua vida indo e voltando entre Cuba e México. Quando tinha 6 anos, foi passar férias na Disney World – Pelo menos foi o que sua mãe lhe disse. Ao invés disso, ela e sua mãe nascida em Cuba emigraram para Miami, onde seu pai, nativo do México, se juntou a ela 18 meses depois. Apesar de ser muito jovem para realmente perceber o que estava acontecendo, Cabello (nascida Karla Camila Cabello Estrabao) se lembra de contar os dias para a chegada de seu pai em um calendário e de aprender inglês com ajuda de desenhos americanos. “Isso era legal”, ela ri. E não se preocupe: Ela eventualmente acabou visitando o Lugar Mais Mágico do Mundo.

ENCONTRANDO SEU X FACTOR
Cabello, que se tornou uma cidadã americana em 2008, nem sempre foi uma artista confiante. Durante seus anos de infância em Havana, Cabello se lembra de ver seus pais dançarem em reuniões familiares e ficar bem longe da pista de dança. “Eu era super tímida. Eu chorava quando eles saíam para dançar, por algum motivo” ela diz com uma risada. Anos depois, ela começou a explorar seu lado musical em segredo, cantando músicas sozinha em seu quarto quando seus pais iam ao mercado. Então ela descobriu a história de sucesso de One Direction no The X Factor e pensou, “Eu poderia fazer isso”. E fez: Em 2012, Cabello competiu no programa, em que ela e outras quatro garotas foram colocadas em um grupo que se tornaria o Fifth Harmony. “Isso meio que quebrou minha concha”, ela fala da experiência.

POR CONTA PRÓPRIA
Depois de fazer dois álbuns top 10 com 5H, Reflection em 2015 e 7/27 em 2016, Cabello saiu do grupo no último dezembro em uma divisão estranha. (No MTV Video Music Awards do último mês, as integrantes remanescentes abriram a performance fazendo um quinto membro cair do palco; Cabello se recusou a comentar.) Apesar de não ter perdido o gosto por colaborações – seu single de estreia Crying In The Club, foi co-escrito com a Sia, e a música OMG tem o rapper do Migos, Quavo – agora ela levanta sozinha grande parte do peso. “O que percebi é que ela é uma verdadeira artista”, diz Joey Arbagey, o vice-presidente executivo de A&R da Epic Records. “Você definitivamente vai perceber que ela é uma compositora incrível.”

DOCES EMOÇÕES
Assumir um papel ativo no processo criativo dá a Cabello uma chance de mostrar o que ela chama de “essência de mim”. Explica a cantora: “Não há nenhum lado meu que eu não tenha mostrado aqui. É impossível estar vulnerável e falar como você realmente está se sentindo naquele dia em frente a uma câmera, e isso é algo que só consigo fazer através da música.” Fãs podem se surpreender com alguns dos lugares sombrios que o álbum visita. “Não tem como você ter um colapso nervoso em uma entrevista”, ela diz, “mas pode ter um colapso nervoso em uma música.”

A CAMINHO DE CASA
Uma das músicas mais próximas ao coração de Cabello é “Havana” (já lançada), uma viciante e liderada por piano ode à capital Cubana, que ela visitou pela última vez quatro anos atrás em uma viagem que ela chama de humilde. “Queria que fosse uma música que ligasse como era brincar na minha casa quando era criança ao tipo de música que escuto agora”, diz Cabello. A música, com a participação do rapper Young Thug e produzida por Pharrell Williams, “passou por pelo menos nove versões diferentes” antes de ser lançada. “Queria que fosse algo que ninguém mais conseguisse fazer”, ela explica.

CONTANDO SUA HISTÓRIA
Cabello estima que mais ou menos metade do seu álbum tenha o mesmo sabor latino que “Havana”. Honrar sua herança é uma grande prioridade com este álbum. “Eu só tento compartilhar minha história com a plataforma que tenho, seja através de entrevistas ou pela minha arte, e deixar que as pessoas saibam que me orgulho de ser quem sou”, diz Cabello, que ano passado se pronunciou sobre a necessidade de uma reforma de imigração. “Quanto mais as pessoas compartilharem suas verdades, melhor. Quanto maior representação, melhor.