Finalmente! Depois de muita espera e ansiedade, a cantora latina, Camila Cabello, finalmente revelou a capa e a data de lançamento do seu primeiro álbum, agora intitulado com o próprio nome da cubana.

Na tarde de hoje (05), Cabello divulgou uma declaração nas suas redes sociais explicando aos fãs o motivo de ter mudado o nome do seu álbum de estreia, que anteriormente foi anunciado como “The Hurting. The Healing. The Loving”.

“Eu decidi chamá-lo com meu nome, porque é onde esse capítulo da minha vida acabou. Começou com a história de outra pessoa e terminou comigo achando o meu caminho de volta para mim mesma”, explicou a artista.

Ainda no texto, ela agradeceu a paciência dos fãs com ela esse ano e disse qual mal pode esperar para que possam ouvir a trilha sonora da vida dela nesse último ano que se passou: “Todas as músicas tem memórias especiais por trás delas. E eu não vou mentir, é muito emocionante mostrá-las, parece o fim de um capítulo”, contou.

“Camila” será lançado no dia 12 de janeiro de 2018 e será liberado para pré-venda a partir de sexta-feira (07), juntamente com duas faixas: “Never Be The Same” e “Real Friends”.

Essa semana foi de Camila Cabello! Depois de entrar para o Top 10 da Billboard Hot 100 e alcançar o topo das paradas britânicas, Camila teve mais um grande marco na sua carreira com o single Havana.

Com apenas 10 dias e algumas horas depois de lançado, o videoclipe de Havana chegou a 100 milhões de visualizações no Youtube, e além de receber o VEVO Certified, o vídeo também trouxe um título novo para a carreira da cantora como sendo o 8° a chegar a esse número em menos tempo – segundo o site Kworb – pegando o lugar de “Swish Swish” da cantora Katy Perry com parceria de Nicki Minaj, que também chegou a essa marca com 10 dias e mais algumas horas.

Camila ainda tem tudo para conquistar mais títulos com sua música de trabalho, já que o single está a cada dia mais forte no Spotify e nas paradas em todo o mundo, além de ainda estar sendo alvo de divulgação, não só pelos fãs, mas também pela cubana e sua equipe.

Na tarde de hoje (05), foi publicado no site do Official Charts – organização profissional que reúne várias tabelas musicais oficiais do Reino Unido – uma entrevista exclusiva concedida pela cantora e compositora Camila Cabello, onde falou sobre o seu novo single Havana, seus artistas latinos favoritos, sobre o motivo de não ter podido tirar o seu sobrenome do seu nome artístico, a melhor música que escreveu até agora e também sobre o adiamento do seu primeiro álbum intitulado The Hurting. The Healing. The Loving.

Confira a tradução da entrevista da cubana para o Official Charts:

Camila Cabello sobre o sucesso de Havana e o status de seu álbum de estreia: “A vida é curta demais para ter medo”
Próxima a um sucesso global, Official Charts fala com a cantora sobre carreira solo.

Camila Cabello está perto de ter seu primeiro número 1 e, compreensivelmente, está muito entusiasmada com isso. “EU SEI!”, Ela grita com descrença enquanto lhe compartilhamos a notícia de que sua última faixa, Havana, está chegando seriamente perto do topo do Official Charts.“Estou tão feliz, estou na lua! Eu nunca estive tão alta antes. Estou tão feliz”, ela diz animada. Fora do Reino Unido, Havana está se formando para ser o primeiro grande sucesso solo de Camila desde que saiu do Fifth Harmony, depois dos pontos de destaque bem sucedidos dos feats Bad Things com Machine Gun Kelly e o smash do Major Lazer, Know No Better. Em termos de sua carreira solo, já ultrapassou seu primeiro single, Crying In The Club, na maioria dos países.

Nós falamos para ela que o sucesso inesperado de Havana (a música foi lançada no mesmo dia em que a sua faixa OMG, que inicialmente recebeu um impulso maior) é um caso claro de uma música encontrando sucesso simplesmente porque é uma ótima faixa. “Essa música é meio que… você sabe, tantas pessoas disseram que essa música não funcionaria”, ela explica, “mas eu e minha equipe sempre acreditamos nisso. É bom ter isso. Esta é a música desafiadora “.

A ascensão precipitada de Havana até o Official Charts também pode ser parcialmente atribuída à paixão reiniciada do Reino Unido pelo pop latino, embora, dada a herança cubana de Camila e a defesa contínua de artistas sul-americanos, pareça o tipo de música que ela deveria fazer, independentemente das tendências atuais. “Nós realmente escrevemos essa música em janeiro antes que toda essa explosão acontecesse”, ela explica. “O momento foi apenas uma coincidência. Na verdade, demorou alguns meses para terminar porque nós continuamos escrevendo de novo”.

Aos 20 anos, Camila teria dois [anos] durante o último ressurgimento mundial do pop latino; Quando Ricky Martin superou as paradas com “Livin ‘La Vida Loca” e Christina Aguilera lançou um álbum inteiro em espanhol chamado “Mi Reflejo”. Como ela se sente por fazer parte de seu segundo renascimento? “Parece um bom momento para essa combinação de culturas em todos os lugares. A influência da cultura latina está em todos os lugares agora… agora é um mundo menor do que quando eu estava crescendo”.

Já que você é amante de pop Latino, quais artistas desse gênero deveríamos prestar atenção que talvez ainda não tenhamos descoberto?
“Ooh nem me deixe começar a falar disso! Há uma banda de pop-rock que amo muito chamada Camila, coincidentemente. Por eles não posso tirar meu sobrenome, mesmo que eu realmente queira. Também tem a banda de pop-rock Maná e J Balvin, que obviamente está arrasando agora. Ouviu o remix com a Beyoncé? Loucura, né? Também uma banda cubana chamada Gente de La Zona.”

O sucesso de Havana mudou as coisas para o seu álbum de estreia? Originalmente seria lançado esse mês…
“Me fez querer escrever mais músicas e me mostrou que eu deveria confiar mais no meu instinto. Havana tem sido a música desafiadora, mas sempre pensei que era importante lançar músicas que me fazem sentir autêntica. Havana fazendo sucesso parece ser modo de dizer do universo, ‘continue fazendo isso, não tenha medo de correr riscos.'”

Quando podemos esperar o álbum então?
“Eu acho que será lançado no próximo ano. Você só tem uma chance de fazer um álbum de estreia e neste momento eu tenho tantas músicas pelas quais sou apaixonada. Sabe aqueles álbuns em que claramente há músicas que não são tão boas quanto os singles. Quero que todas as músicas tenham potencial de single.”

“Não consigo imaginar lançar algo que não seja isso. Por exemplo, não há nada que eu não faria por Havana – estou tão orgulhosa disso e quero me sentir assim com todas as músicas. Tenho um monte de músicas que já me sinto dessa maneira, mas pela quantidade que eu quero ter nesse álbum, quero me sentir dessa maneira sobre todas as músicas.”

Estamos falando que terminamos 80%?
“Eu acho que esse é um bom número.”

Enquanto está no telefone conosco agora, está passando por segurança de aeroporto. Basicamente, ninguém pode te acusar de não trabalhar duro.
“Sim, isso é algo que eu… Acho que é uma qualidade tão importante. Sabe aquela citação que diz que sucesso é 10% talento e 90% trabalho duro. Realmente acredito nisso. Conheço pessoas extremamente talentosas que ficaram para trás porque não queria trabalhar muito.”

“Pra mim, eu amo isso. Amo o que faço e várias vezes digo a mim mesma uma coisa que vi na Oprah. Era tipo não faça algo pelo resultado, faça pelo trabalho e porque quer ter algo ótimo no seu portfólio, por você. Amo provar que posso eu mesma fazer as coisas, e não outra pessoa.”

 Qual a melhor música que escreveu até agora?
“Tem uma música que escrevi chamada I’ll Never Be The Same. Amo músicas de amos e sinto que essa captura exatamente como é estar apaixonada. Isso, e também que foi a mais fácil de escrever. Terminei em uma hora. Comparado com Havana, que levou meses.”

Você está na indústria da música há cinco anos; Que conselho você daria ao seu eu de 15 anos?
“Para confiar em seu instinto e que a vida é muito curta para ter medo, então por que não se arriscar, sabe? Quanto o tempo acabar quando for mais velha, eu não quero pensar, ‘cara, por que eu estava tão nervosa? Eu deveria simplesmente ter feito’. É o que digo a mim mesma agora. Tenho 20 anos, mas meu maior medo é ser uma velha e pensar que eu desperdicei tanto tempo ficando assustada e me preocupando com o que as pessoas pensavam sobre mim.”

Tradução realizada pela equipe do Camila Cabello Brasil.
Twitter | Facebook | Instagram

Depois do excelente desempenho da faixa em todas as plataformas digitais – principalmente o Spotify -, Camila Cabello confirmou hoje (30) que Havana é o seu segundo single.

Logo após saber que a música entrou para o Top 15 da parada mundial do Spotify, a latina postou em uma das suas redes sociais: “e é por isso…. que colocaremos como single!!!!!! muito obrigada pelo amor e apoio por uma música que é tão próxima do meu coração ???

“Não diria que essas músicas são singles, mas estou lançando em honra de estar em turnê com Bruno Mars.” – Disse a cubana em entrevista à Beats1, dias antes de lançar Havana e OMG nas plataformas digitais. Agora que o cenário mudou, e percebendo o grande sucesso que o seu – agora – segundo single tem se tornado, Camila não pôde negar que a faixa é uma excelente candidata para suceder Crying In The Club.

A cantora, que é a 13° artista mais ouvida no mundo todo pelo Spotify, conseguiu emplacar o single latino, mesmo sem nenhuma promoção ou divulgação. Acompanhe algumas das conquistas que Cabello conseguiu com Havana, até o momento:

#12 Spotify Worldwide

#19 Spotify US

#9 iTunes US

18 #1’s no iTunes

Lembrando que Camila iniciou sua carreira solo em dezembro do ano passado, e tem apenas 4 músicas do seu álbum de estreia – The Hurting. The Healing. The Loving. – lançadas até o momento. Seu primeiro disco está previsto para o dia 22 de setembro desse ano.

Saiba logo abaixo as maneiras para você poder comprar, ouvir e divulgar Havana:

iTunes | Spotify | VEVO

Foi publicado ontem (22), a nova edição da revista Flaunt, onde Camila Cabello estampa a capa e também concede uma entrevista falando sobre sua carreira solo e seu debut album, que deverá chegar às plataformas digitais no próximo dia 22.

Tudo o que passamos como família me deu uma perspectiva diferente da vida. Nós começamos do zero tantas vezes. Meus pais vieram sem dinheiro, sem amigos, sem nem uma casa. Nada. E sempre foi sobre ‘Não estou feliz onde estou agora. Não sei o que vai acontecer no futuro, mas não posso ficar aqui.’ Sempre foi essa questão de ser corajosa o suficiente para tomar uma atitude.” responde a latina quando falado sobre sua coragem em deixar o Fifth Harmony durante seu auge profissional, e passar a trilhar seus próprios caminhos.

Ela também fala sobre como era estar em um grupo: “Há uma quantidade saudável de competitividade que existe em um grupo. Todo mundo quer contribuir.“. Desde que seguiu carreira solo, Camila já teve várias oportunidades de trabalhar com artistas de grandes nomes na indústria. Ela disse que compor com eles lhe deu a confiança necessária para dar sua opinião em cada passo da produção do ‘The Hurting, The Healing, The Loving‘.

O disco já foi finalizado, e a equipe da revista pôde ouvi-lo. Em uma breve descrição, eles disseram: “A maioria das canções no álbum de estreia de Cabello é intoxicantemente sexy e profundamente íntima. Ao ouvir suas letras, você pode ser levado a acreditar que ela teve seu coração partido tragicamente e várias vezes. Na verdade, as músicas do álbum de Cabello, apesar de terem raízes nas experiências da vida real, assumem o sentido de coração partido mais dos tropos da cultura musical latina da cantora e compositora.“.

A cubana também falou sobre a inspiração para algumas das musicas que compõem o album, como ‘I’ll Never Be The Same‘ que disse ser sobre um garoto na qual ela esteve quase três meses e a fez pensar “você é o único… É você.”. Já ‘I Have Questions‘ é sobre a dor de um final de amizade, o que na opinião de Camila é pior do que um término romântico. “Em um relacionamento romântico, você pensa, isso é incrível, isso é bonito, eu amo essa pessoa, mas há uma parte de você que sempre está preparada para que isso termine. Sinto que com uma amizade você acha que vai durar para sempre. Você começa a considerar essa pessoa como sua família e então não vê um fim para isso. Então, quando é com um final chocante ou abrupto é pior.

Em recente entrevista à AMPRadio, Camila Cabello conversou com Julia Lepidi e soltou algumas informações e curiosidades a respeito do seu debut album ‘The Hurting The Healing The Loving’.

“Ele entrou em contato com o produtor executivo do meu álbum, Frank Dukes, e então, você sabe, ele procurou e isso é tão louco porque eu realmente não imaginava que ele sabia quem eu era, então eu estava realmente surpresa que ele queria, passar um tempo comigo, trabalhando juntos, e então nós trabalhamos juntos por alguns dias” respondeu Cabello quando questionada a respeito de sua parceria com Pharrel Williams no processo de composição de Havana. Ainda sobre a canção, ela acrescentou: “Foi provavelmente a música mais difícil para compor de todo o álbum. Levou tipo 5 meses, porque nós tínhamos 7 versões diferentes”. Nós fãs tivemos acesso a apenas 2 versões da música, uma apresentada em Chicago no B96 Summer Bash ’17  e a outra que é a versão estúdio disponibilizada nas plataformas digitais. Antes disso, Camila já havia revelado ter gravado um rap em espanhol para a canção, mas logo depois resolveu substituir pela parte do Young Thug por ter achado o seu verso bobo demais.

Lepidi comenta: “Eu amei o título do álbum ‘The Hurting, The Healing, The Loving’. Eu sinto como se estivéssemos aprendendo sobre você a partir disso. Onde você… quero dizer, óbvio que tudo vem de vida real porque você é uma compositora agora, onde você pega do “machucado” a “cura”, não sei, qual foi seu processo para curar?”
“Eu sinto que por muito tempo eu não fui capaz de apenas falar sobre como eu estava me sentindo e eu sinto que muitas das vezes, mesmo que triste, nós… eu não sei, eu sinto muitas coisas… eu sou profissional no meu trabalho, mas algumas vezes isso atinge minha vida pessoal e eu não dou uma chance a mim mesma de me machucar ou de não me sentir bem, então eu estava constantemente tentando anular a mim mesma, colocando de lado. […] A primeira vez que eu escrevi como eu estava me sentindo sobre essa coisa que aconteceu foi “I Have Questions” e eu me senti tão melhor depois de escrever essa música e eu continuei escrevendo músicas sobre o que eu estava falando até o momento que eu não tinha mais o que dizer e eu senti que eu tinha colocado tudo para fora e genuinamente eu coloquei tudo para fora”.

Camila revelou que escreveu a ideia de ‘I Have Questions’ há um ano e meio atrás, quando estava em turnê com o seu antigo grupo, mas que ainda levou um ano para ficar completamente pronta. “Eu escrevo como uma nota no meu celular e então no estúdio eu vou até as notas e dependendo de como estou me sentindo, eu apenas escrevo sobre aquele sentimento.”

Quando indagada sobre sua música favorita do álbum, ela respondeu: “Não acho que posso escolher. Quero dizer que ‘Havana’ é muito especial porque essa foi a música mais difícil. Isso faz sentido? Levou muito tempo… Quando estava pronta, eu estava tipo ‘isso!’. E eu também sinto que ‘Havana’ é alguma coisa que só eu posso pensar sobre, se isso fizer sentido”. A latina revelou que realizou uma sessão de fotos em Miami para o seu primeiro álbum, e que foi de lá que saíram as artes de ‘Havana’ e ‘OMG’. Por fim, Julia revelou estar entusiasmada pelo lançamento do disco e Camila agradeceu pelo carinho recebido e os presentes.