Parece que Camila já está bem familiarizada com a revista Glamour. No início do ano, a latina foi entrevistada ao lado de sua mãe, Sinuhe Cabello, para falar sobre sua história como imigrante e a relação que uma tem com a outra, numa edição especial para o dia das mães, e dessa vez concedeu uma entrevista para a filial da marca no Reino Unido (UK), que foi divulgada hoje (22) em um artigo postado no site da própria revista. Durante a conversa, Cabello respondeu perguntas sobre o seu álbum, contou um pouco mais sobre sua provável parceria em espanhol com Ed Sheeran, revelou qual seria sua colaboração dos sonhos e ainda disse um pouco mais sobre sua relação com Taylor Swift e Simon Cowell. Confira a tradução da matéria divulgada pela Glamour UK:

Leia mais

Nascida em Cuba e crescida nos Estados Unidos, Camila Cabello é exemplo para muitos admiradores que assim como ela, são de origem latina.

Desde o início da sua carreira, a cubana sempre teve muito orgulho de expor, representar e mostrar sua identidade latina, servindo de inspiração para muitos fãs que também compartilham do mesmo sentimento ou do mesmo sonho.

Em uma entrevista recente para a Teen Vogue, Camila fala sobre a sua cultura, sobre sua relação com seus fãs latinos e sobre a união da comunidade latina. Confira a tradução da entrevista logo abaixo:

Camila Cabello conversa com Diane Guerrero sobre falar para seus fãs latinos

Camila Cabello tem uma plataforma, e ela não tem medo de usá-la. Em seus cinco anos de fama desde que caiu nos olhares do público com Fifth Harmony, a cantora acumulou milhões de fãs, e ela vem sendo conhecida por favoritar seus tweets e seus Instagram Stories. Agora, separada se sua antiga girl group, Camila está se preparando para contar sua própria história em seu álbum de estreia solo. Ela conversou com Diane Guerrero, que interpreta a detenta Maritza Ramos em Orange Is The New Black e publica em uma conta sobre a deportação dos seus pais, sobre como eles estão usando suas experiências como pessoas latinas para abastecer sua arte e como sua identidade pode ser um dos seus maiores ativos.

Diane Guerrero: Oh, docinho, eu sou uma grande fã sua. Estou tão orgulhosa de tudo que você está fazendo. Você é um bom exemplo para nossa comunidade. Eu lembro de ler quando você falou pela primeira vez sobre os seus pais como imigrantes, e você calou todo mundo. Tem algo que você notou, dos fãs ou da indústria, sobre as oportunidades que você recebeu como artista porque você se abriu sobre suas experiências?
Camila Cabello: Eu acho que, para mim, a melhor parte é quando você ouve dos fãs. Eu conheço uma fã especificamente que veio do Méximo, e eu sempre a vejo em New York trabalhando muito furo para conseguir um dinheiro extra para sua família. Eu amo o quão orgulhosa ela é, especialmente por ser mexicana, e ser alguém que está tentando criar um futuro melhor para si mesma nos Estados Unidos. Eu acho que isso foi muito especial.

DG: É muito difícil compartilhar sua história. No momento, estamos esperienciando esse silêncio de quem somos. Eu cresci em um lugar onde política não era super normal de se falar. Se eu falasse um pouco a mais na faculdade, eu lembro das minhas amigas ficarem meio, “Você é tão intensa” ou “Porque você sempre tem que falar sobre raça?”
CC:
Minha herança e minha cultura são grande parte de quem eu sou. Eu venho tentando incorporar isso na minha música – eu estou na verdade no processo de finalização de uma música que é sobre minha história e como minha família veio para cá. Muitas pessoas não sabiam que eu era latina até eu começar a falar abertamente sobre isso.

DG: Esse é o poder da música. O público e os fãs não criam essas construções sociais e bolhas como os executivos de Hollywood fazem. Na minha experiência, porque eu sou atriz e não pude escapar do fato de ser latina. Eu não acho que vemos muitos latinos nessa indústria serem tão abertos. Eu acho que sempre tivemos medo pelos nossos empregos. Ficamos sempre meio “Oh, obrigada, muito obrigada, sou tão grata,” e tipo… Esses dias acabaram.
CC:
Eu sinto que isso é mais óbvio na atuação. Ser vocal sobre isso é importante. Eu acho que muitas das vezes as pessoas meio que escolhem ignorar as coisas porque elas não são diretamente afetadas, o que é um privilégio para muitas pessoas. Elas ficam meio, “Oh, vai ficar tudo bem.” Muitos dos meus fãs são latinos então eu definitivamente trato isso como uma responsabilidade especial de falar por eles. Eu honestamente nunca planejei ser tão ativa politicamente, mas a administração do Trump atingiu muito próximo da minha casa. Eu vi muito ódio quando foi falado sobre imigrantes. Eu fiquei meio, “Eu preciso falar sobre isso porque é maior que eu.”

DG: Se você pensar sobre isso, todas as minorias combinadas, somos a maioria. Não somos a minoria. E se começarmos a olhar as coisas dessa maneira, então as coisas vão começar a mudar. Não é sobre exclusão; é sobre explicar o que está acontecendo na história por anos, e como estamos falhando uns com os outros por não sermos abertos nessas conversas e exigir representação. Gina Rodriguez está constantemente me falando, “Precisamos motivar a comunidade a começar a prestar atenção e fazer algumas mudanças.” Nos recusamos a continuar no status quo, e continuar a comer o que eles nos dão.
CC:
Nos juntar é realmente importante. Se todos – artistas, escritores, atores – abraçassem quem eles são e fizessem o diálogo ainda mais aberto, é isso que precisamos. União.

DG: Temos uma comunidade latina muito grande. E se decidimos que não queremos mais ver esse filme porque não nos vemos representados, acredite em mim, poderíamos acabar com isso. Se cada jovem latino se visse como advogado e médico e professor e ativista na televisão, então talvez isso ia ajudar a promover a mudança e o avanço em nossa comunidade.
CC:
Honestamente, você não poderia ter dito melhor.

A madrugada de hoje (19) foi bastante corrida para os Camilizers. O lead single de Camila ‘Crying In The Club‘ foi disponibilizado mundialmente e, logo em seguida, o videoclipe.

A música se encontra no topo do iTunes de vários países, incluindo o Brasil, barrando artistas como Anitta e Selena Gomez nos charts de nosso país.

O videoclipe conta com um trecho da musica ‘I Have Questions’

Confira o video, capturas e tradução:

Confira as capturas do videoclipe em nossa galeria:

029.jpg137.jpg777.jpg

Tradução de ‘I Have Questions’:

Porque você me deixou queimar?

Eu sou muito nova para estar tão machucada

Eu me sinto condenada

Em quartos de hotéis

Olhando fixamente para a parede

Contando feridas

E eu estou tentando entorpecê-las todas

Você se importa? Você se importa?

Por que você não se importa?

Eu te dei tudo de mim

Meu sangue, meu suor e meu coração

E minhas lágrimas

Por que você não se importa?

Por que você não se importa?

Eu estava lá, eu estava lá

Quando ninguém estava

E agora você partiu e eu estou aqui

(Eu tenho perguntas para você)

Número um

Me diga quem você acha que é

Você tem muita coragem para tentar derrubar minha fé

(Eu tenho perguntas para você)

Número dois

Por que você tentaria me fazer de boba?

Eu nunca, nunca, nunca deveria ter confiado em você

Número três

Por que você faria isso, quem você jurou que seria?

Eu tenho perguntas, eu tenho perguntas

Me assombrando

(Eu tenho perguntas para você, eu tenho perguntas para você)

Eu tenho perguntas

Ouça Crying In The Club (Letra e Tradução)

http://69.12.82.242/~camilaca/ouca-crying-in-the-club-letra-e-traducao/

A primeira música do álbum solo da Camila Cabello, intitulado The Hurt The Healing The Loving, foi lançada nessa sexta-feira (19) e já está disponível nas maiores plataformas de música! O clipe da música, conforme anunciado por Camila no Twitter, será disponibilizado em seu canal CamilaCabelloVEVO às 7h da manhã de amanhã (sexta-feira).

Compre no iTunes, Ouça no Spotify

[table id=1 /]

Ontem (14), Camila Cabello anunciou a data de seu primeiro single solo, 19 de maio. Junto com o nome de seu álbum “The Hurting, The Healing, The Loving” em um texto em suas redes sociais onde explica sobre o processo de criação do álbum e algumas experiências passadas durante o decorrer dos meses.

Confira a tradução: 

“A primeira música do meu próximo álbum “the hurting the healing the loving” (“o ferir, o curar, o amar”) será lançada em 19.05.2017… “the hurting the healing the loving” é a história da minha jornada da escuridão para a luz, de um tempo em que eu estava perdida até um tempo no qual me encontrei de novo. A história por trás do álbum começa com a segunda música que você vai ouvir chamada “I have questions” (“eu tenho perguntas”), a qual comecei a escrever no banheiro de um hotel durante nossa turnê pouco mais de um ano atrás. eu estava completamente quebrada naquela época, eu estava no tipo de dor que é desconfortável de falar, e era o tipo e capitulo que você nunca quer ler em voz alta… não consegui escrever outra música pelos próximos 6 meses porque escrever significava que eu tinha que sentir tudo, e eu não estava pronta para isso ainda. Então quando me formei de banheiros de hotel para estúdios para fazer meu primeiro álbum, eu fazia músicas sobre tudo MENOS pelo que eu estava passando, era como um segredo queimando na minha língua e por algum motivo eu não conseguia falar sobre. Até que um dia não consegui mais fugir. Peguei as letras da música do ano anterior, e “I have questions” foi escrita. Depois disso escrevi uma música triste todos os dias, tudo que eu queria falar, todas as letras no meu celular, eu disse tudo até que cansei de escrever sobre isso. Até que fiquei cansada de músicas tristes!!! à medida que eu ficava mais feliz, percebi que as músicas ficavam cada vez mais felizes. e eu percebi que não estava mais fazendo músicas só para fazer um álbum, eu estava fazendo músicas para curar. Não foi até que eu tivesse feito músicas suficientes para ouvir novamente depois e percebi que eu conseguia me ouvir voltando para essas músicas. Não as escrevi com a intenção de passar uma mensagem, mas percebi que a mensagem estava no ferir, no curar e no amar. Eu posso ter pensado que “ferir” era minha inimiga antes, mas ela tornou-se a melhor ouvinte… eu posso ter pensado que estava impaciente demais para “curar”, e parecia às vezes que demorava demais, mas percebi que me fez apreciá-la muito mais quando ela chegou. e “amar”, eu não saberia como ela é linda se não pudesse sentir sua falta o tempo todo.
para “ferir”, obrigada por me ensinar que mesmo que à noite você me leve às maiores profundidades do oceano, ainda vou acordar pela manhã.
para “curar”, obrigada pelas lágrimas. quando finalmente vieram, tinham gosto de Deus.
para “amar”, você é ainda mais linda do que me lembro.”

Lembrando que, em entrevista para à Billboard, o rapper Machine Gun Kelly afirmou que o videoclipe para o single de Camila já está finalizado.

Confira o vídeo legendado:

Ryan Tedder, compositor e produtor musical mais conhecido por ser vocalista da banda OneRepublic, concedeu uma entrevista para a Newsweek, onde citou Camila Cabello como uma das pessoas com quem trabalhou nos últimos três meses, e não poupou elogios à latina e seu talento. Confira abaixo a tradução do trecho onde o cantor norte-americano fala sobre como foi trabalhar com Camila:

Parece que você teve meses bem ocupados trabalhando com outros artistas. Com quem você esteve trabalhando que devemos ficar animados?

Ryan Tedder: A quantidade de coisas que tenho para sair em álbuns de outros artistas é a maior que tive em oito anos. Todos nos últimos três meses: Camila Cabello, Selena [Gomez], Jess Glynne, Foster the People, U2, Pink. Tem sindo muito divertido. Cada dia um artista diferente. A Camila Cabello me surpreendeu muito.

Camila é uma pessoa intrigante. Como será o som do trabalho solo dela pós-Fifth Harmony?

Ryan Tedder: Ouvi três músicas incluindo duas que eu fiz. Ela entrou e mostrou pra mim [as três músicas] e disse: “Aqui estão apenas 3 coisas que fiz”. Eu fiquei tão intimidado. Ela foi incrível. Ela não é apenas uma cantora incrível, acho que é a melhor artista jovem com quem eu já trabalhei compondo músicas em um longo tempo. O talento dela escrevendo músicas é inacreditável – se uma letra de uma música está mais ou menos, ela fala: “Não, vamos mudar”. […] Seria uma injustiça se ela não pudesse escrever o seu álbum todo, ou co-escrever, porque é uma ótima compositora. Ela tem sido a mais chocante – quando você trabalha com uma menina que veio de um girl group, você não sabe o que esperar. Acabei de enviar-lhe uma música nova e ambos estamos extasiados com ela.

A cubana e o produtor trabalharam juntos no início de abril, e Tedder chegou até a publicar em suas redes sociais um vídeo dos dois no estúdio:

“Momentos de gênio musical no estúdio com a Camila Cabello @camilacabello97”

Você pode conferir a entrevista original de Ryan para a Newsweek clicando aqui.